Loading...
Loading...
Loading...

Psicologo

Loading...

Gospel

  • http://www.agenda21comperj.com.br
  • http://www.youtube.com/watch?v=alPaK2NQfyw
  • http://www.youtube.com/watch?v=alPaK2NQfyw

Terra - RSS - Terra Brasil

urgente , urgente!!!!!!!

Loading...

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Centro gastronomico? A onde?


Centro gastronomico em Barra de São João, Restaurante Escola, Espaço Cultural Chico Tabibuia, cedido para festas particulares, foi restaurado com verbas do muncipio, inaugurado pela prefeitura de Casimiro de Abreu e aberto ao público em 2007

Vi o seguinte anuncio desse Centro Gastronomico: "Está de portas abertas para oferecer o melhor da culinária regional".O local, às margens do rio São João, serve jantar às sextas, e almoço e jantar aos sábados e domingos. E todo o cardápio, elaborado pelo chef, Camilo Portugal, é servido por profissionais qualificados pelo SENAC, que ministra na Casa, diversos cursos gratuitos na área de gastronomia.
Hoje esse espaço onde se gastou tanto , esta em licitação pública.

Pode uma coisa dessa, só aqui é que acontece isso...

Em 2006 a comunidade casimirense ganha ambulâncias e UTI móvel.



A Prefeitura de Casimiro de Abreu comprou cinco ambulâncias, uma UTI móvel e um carro para a Vigilância Sanitária, além de uma Kombi (adquirida com recursos do Ministério da Saúde) para a comunidade, incluindo as dos distritos Barra de São João, Professor Souza e Rio Dourado
Em Barra de São João continuamos com problemas de ambulância, no hospital de Barra não tem ambulância, Rio Dourado não tem UTI móvel, professor Souza não tem UTI móvel, a onde estão as que chegaram em 2006, e a onde estão as que existiam?
A População continua sofrendo com esse problema, além de não se ter veículos apropriados para transporte de pacientes, principalmente os graves, os carros que eram agregados estão desaparecendo e os oficiais são poucos.
Quem sabe o chefe que era do transporte da saúde, eleito a vereador pudesse nós dar uma resposta!!

Casimiro de Abreu- O Poeta


Casimiro José Marques de Abreu nasceu na Freguesia da Sacra Família da Vila de Barra de São João, na então província do Rio de Janeiro, no dia 4 de janeiro de 1839, filho de José Joaquim Marques de Abreu e de D. Luiza Joaquina das Neves.
Os primeiros tempos de sua vida, a sua “infância querida”, passou-os no torrão natal. Partiu em seguida para Nova Friburgo, onde cursou durante alguns anos o Instituto Freese. Foi aí que, uma tarde, à hora em que na sua casa paterna deviam estar merendando, lembrou-se de seu lar, viu nele a mãe querida, e então, assaltado pela saudade, chorou e compôs sua primeira poesia. Infelizmente, em momento de desânimo e desgosto rasgou-a, embora mais tarde viesse arrepender-se do que fizera, e sentisse tanto haver destruído aquela produção que, para recuperá-la, daria todo o volume de “As Primaveras”, o livro que o tornaria imortal em nossa literatura.
Não terminados completamente seus estudos de humanidades, foi para o Rio de Janeiro trabalhar no escritório do pai, que à fina força, queria encaminhá-lo na carreira comercial. Casimiro submeteu-se, mas não se resignou, e essa contrariedade foi grande amargura na vida do poeta.
Depois de um ano de permanência no Rio, o pai manda-o para Portugal. No exílio, atormenta-o a nostalgia do torrão natal e da família, sobretudo da irmã e da mãe, a quem Casimiro amava extremosamente, de quem fala mais de uma vez nos seus escritos e para quem fez aquela poesia tão transbordante de saudade e ternura filial, de uma forma poética tão adequada, que dificilmente se encontrará outra que iguale na força do seu sentimento e na formosura da expressão.
Costuma-se dizer que no exílio lhe apareceram os primeiros sintomas da tísica pulmonar, que havia de matá-lo. Isto constitui, porém, um ponto por elucidar na biografia de Casimiro, pois em cartas autografadas do poeta, existentes no arquivo da Academia Brasileira de Letras, parecia que ele gozava de boa saúde. Ao amigo, destinatário da referida correspondência e para o qual abria sua alma de par em par, conta que voltou de Portugal, e nem então e nem depois alude a enfermidade alguma, a não ser a varíola de que ficara marcado, mas de que já se restabelecera; e pelo contrário, certa ocasião chega a lastimar-se da monotonia da boa saúde, em lugar do qual queria a tísica com todas as suas peripécias para ir definhando liricamente até acabar de morte romântica sob o céu azul da Itália (desejo muito do gosto da época, e que nosso poeta exprime, talvez, com algum humorismo). Ainda em carta de 11 de janeiro de 1860, isto é, nove meses antes de sua morte, escrevia: “eu continuo sempre bom do físico e sempre enfermo do moral”.
Há, contudo, uma carta de 17 de maio, sem indicação do lugar nem ano, mas que supõe-se ser de 1859, na qual se lêem as seguintes palavras:
“Vivo muito triste e padeço mesmo um pouco do físico; a minha saúde vai-se estragando e eu desconfio que o canastro não dura muito tempo. Adeus; estima-me sempre e lamenta.
o teu velho amigo. Casimiro”...
Poemas
Infancia
Ó anjo da loura trança,que esperançanos traz a brisa do sul!- Correm brisas das montanhas...Vê se apanhasA borboleta de azul!...Ó anjo da loura trança,És criança,A vida começa a rir.- Vive e folga descansada.DescuidadaDas tristezas do provir.Ó anjo da loura trança,Não descansaA primavera inda em flor;Por isso aproveito a auroraPois agoraTudo é riso e tudo amor.Ó anjo da loura trança,A dor lançaEm nossa alma agro descer.- Que não encontres na vidaFlor querida,Senão contínuo prazer.Ó anjo da loura trança,A onda é mansaO céu é lindo dossel;E sobre o mar tão dormente,DocementeDeixa correr teu batel.Ó anjo da loura trança,Que esperançaNos traz a brisa do sul!- Correm brisas das montanhas...Vê se apanhasA borboleta de azul!..
Rio - 1858.

EStrutura do governo.

Os nomes abaixo serão mudados à partir de 01 de janeiro de 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASIMIRO DE ABREU
Homepage: www.casimiro.rj.gov.br
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Endereço:
Rua Padre Anchieta nº 234
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
DDD: 22
Telefone(s): 2778-1225
Fax: 2778-1225

Estrutura da Prefeitura Municipal:
Prefeito(a): Paulo Cézar Dames Passos
Vice-Prefeito(a): José Alexandre Azevedo Francisco
Chefe de Gabinete: Érica Esteves Dames Passos Neves
Procurador(a) Geral: Drª Lucas Dames

Assessoria de Comunicação
Secretário(a): Renata Sarzedas
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 234
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1117 / 2778-1225 Ramal: 235
Fax: (22) 2778-1117

Assessoria de Desenvolvimento Econômico
Secretário(a): Assessor: Luiz Robison da Silva
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 234
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1117 / (22) 2778-1225 Ramal: 235
Fax: (22) 2778-1117

Secretaria Municipal de Administração
Secretário(a): Luiz Carlos Sardenberg
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 234
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1225 / 2778-1248
Fax: 2778-1225 Ramal: 204

Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca
Secretário(a): José Francisco Branco
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Estrada Eduardo Zaczuc Tahan. s/nº
Vargem Grande, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1414 / 2778-4122
Fax: 2778-1414

Secretaria Municipal de Assistência Social
Secretário(a): Luciane Barbosa de Souza
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Pastor Luiz Laurentino nº 385
Mataruna, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1225 Ramal: 237
Fax: 2778-3933

Secretaria Municipal de Controle Interno
Secretário(a): Cristine Brandão Moraes
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 217
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1225 Ramais: 215 / 232
Fax: (22) 2278-1225

Secretaria Municipal de Educação, Cultura
Secretário(a): Jardeni Azevedo Francisco Jadel
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Miguel Jorge nº 100
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1225 Ramais: 244 / 249
Fax: (22) 2778-2034

Secretaria Municipal de Fazenda, Indústria e Comércio
Secretário(a): Célio Sarzedas
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 234
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1225 Ramal: 225
Fax: (22) 2778-1225

Secretaria Municipal de Governo
Secretário(a): Edméa Sarzedas
Email: gabinete@casimiro.rj.gov.br
Rua Anchieta nº 234
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1099 / (22) 2778-1225 Ramais: 212 / 213
Fax: (22) 2778-1099

Secretaria Municipal de Meio Ambiente
Secretário(a): Jorge Antônio da Silva
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Waldemir Heringer da Silva s/nº
Casimiro de Abreu
RJ, Brasil
Telefone(s): (22) 2778-1732 / (22) 2778-1604
Fax: (22) 2778-1604

Secretaria Municipal de Obras, Urbanismo, Serviços Públicos e Transporte
Secretário(a): Rubens Marques
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Nossa Senhora do Carmo nº 375
Santa Terezinha, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-2062 / 2778-4248
Fax: 2778-2062

Secretaria Municipal de Planejamento e Processamento de Dados
Secretário(a): Alfredo Rosa Mangifeste
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 205
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1225 Ramal: 233
Fax: (22) 2278-1225 r:204

Secretaria Municipal de Saúde
Secretário(a): José Luiz de Souza Santos
Email: prefeitura@casimiro.rj.gov.br
Rua Padre Anchieta nº 264
Centro, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.860-000
Telefone(s): (22) 2778-1248 / (22) 2778-1225 r: 242
Fax: (22) 2778-1248

Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer
Secretário(a): Tereza Cristina Alves Chedid
Email: turismo@casimiro.rj.gov.br
Avenida Marcílio Dias nº 499
Barra de São João, Casimiro de Abreu
RJ, Brasil 28.880-00
Telefone(s): (22) 2774-5550
Fax: (22) 2774-5550

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Campanha


Pessoas acima dos 50 anos são tema da campanha do Dia Mundial de Luta Contra a Aids
Ação terá foco em homens heterossexuais. No Carnaval será a vez das mulheres. Homens acima dos 50 anos são tema da campanha do Ministério da Saúde para o Dia Mundial de Luta contra a Aids deste ano, a ser lançada nesta terça-feira (25/11), em Brasília, pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Com o slogan “Sexo não tem idade. Proteção também não”, serão abordados assuntos ligados à sexualidade, como o uso do preservativo e dicas para melhorar a relação sexual depois dos 50.
O filme com 30 segundos de duração se passa no “Clube dos Enta”, formado apenas por homens acima dos 50 anos que têm orgulho da idade e experiência. Os sócios rimam palavras terminadas com “enta”, relacionadas ao cotidiano da faixa etária. E dizem que, para o sexo, nunca se aposentam.
Nas versões com 30 e 60 segundos, o clube ganha até hino cantado pelos cinqüentões, sessentões e setentões. Um dos trechos da musica diz: “Enta, enta, eeenta, a camisinha é a nossa ferramenta. Enta, enta, eeenta, as mulheres nos apóiam e a coisa esquenta”.
Além do vídeo e do spot de rádio, foram produzidos cartazes, “folders” e mobiliário urbano (out-door e outras placas). Pela primeira vez, a arte do material gráfico foi encaminhada para coordenações de DST e aids estaduais, que ficaram responsáveis pela impressão das peças. A iniciativa faz parte da descentralização das ações, por meio do repasse específico de verba para ações de comunicação.
Internet – No site do Programa Nacional de DST e Aids (PN-DST/AIDS), haverá uma página específica – www.aids.gov.br/diamundial – para notícias relacionadas aos eventos do Dia Mundial promovidos por estados, municípios e organizações da sociedade civil. Essas ações incluem a divulgação de campanhas locais e a promoção do uso do preservativo.
Como acontece desde 2005, o tema escolhido para o Dia Mundial tem continuidade nas ações do ano seguinte. Assim, a campanha do Ministério da Saúde para o Carnaval de 2009 voltará a enfocar pessoas acima dos 50 anos, mas com ênfase nas mulheres.
Programa Nacional de DST e AidsAssessoria de ImprensaTelefones: (61) 3448-8100 / 8088Fax: (61) 3448-8090

Conselhos no Brasil

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CASIMIRO DE ABREU 2001/2003


Com a promulgação da Constituição Federal em 1988, adotou-se no Brasil uma perspectiva de democracia representativa e participativa, incorporando a participação da comunidade na gestão das políticas públicas. Diversos mecanismos dessa nova prática vêm sendo implementados no Brasil. Orçamento participativo, plebiscito e iniciativa popular são alguns dos mecanismos encontrados para a efetiva prática desse espírito constitucional. No entanto, a participação da sociedade nas funções de planejamento, monitoramento, acompanhamento e avaliação de resultados das políticas públicas tem requerido a institucionalização de órgãos colegiados deliberativos, representativos da sociedade, de caráter permanente. Os Conselhos começam, então, a se configurarem, em espaços públicos de articulação entre governo e sociedade.


Por controle social entende-se a participação da sociedade no acompanhamento e verificação das ações da gestão pública na execução das políticas públicas, avaliando os objetivos, processos e resultados. Pesquisas e estudos realizados no Brasil vêm apontando para a crescente densidade organizacional da sociedade civil como resultado do descompasso entre Estado e sociedade, e da implementação de políticas públicas que têm como objetivo a descentralização de recursos para a prestação de serviços na área social, principalmente para os setores de educação e saúde. no acompanhamento e verificação das ações da gestão pública na execução das políticas públicas, avaliando objetivos, processos e resultados. Pesquisas e estudos realizados no Brasil vêm apontando para a crescente densidade organizacional da sociedade civil como resultado do descompasso entre o Estado e a sociedade, e da implementação de políticas públicas que têm como objetivo a descentralização do poder de decisão e de recursos na prestação de serviços sociais, principalmente para os setores da educação e da saúde.
Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, adotou-se no Brasil uma perspectiva de democracia representativa e participativa, incorporando a participação da comunidade na gestão das políticas públicas (art. 194, VII; art. 198, III; art. 204, II; art. 206, VI, art. 227, parágrafo 7). Diversos mecanismos de participação da comunidade na gestão das políticas públicas vêm sendo implementados no Brasil. Orçamento participativo, plebiscito e iniciativa popular legislativa são alguns dos mecanismos encontrados para efetiva prática desse espírito constitucional. No entanto, a participação da sociedade nas funções de planejamento, monitoramento, acompanhamento e avaliação de resultados das políticas públicas requer a constituição de um órgão colegiado deliberativo, representativo da sociedade, de caráter permanente.
Os Conselhos começam, então, a partir da Constituição Federal de 1988, a se configurarem, em espaços públicos de articulação entre governo e sociedade. A década de 90 presenciou uma verdadeira explosão de criação de conselhos em todo o Brasil, que culminou com a obrigatoriedade da implementação dos Conselhos de Saúde, Conselhos Tutelares e de Direitos da Criança e do Adolescente, os Conselhos de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF), e os Conselhos Escolares. Igualmente importantes, mas não regulamentados por lei federal, são o Conselho de Educação, nos estados e municípios, e os Conselhos Escolares, que podem exercer o papel de formuladores de políticas públicas, juntamente com o executivo.
Os Conselhos sendo instituídos no Brasil apresentam características bem diferenciadas, no que tange à natureza, papel, funções, atribuições, composição, estrutura e regimento. No entanto, vale ressaltar que a constituição e efetiva atuação dos conselhos possibilita a participação da sociedade no interior do próprio estado.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

O que é humilhação e Assedio moral





É um sentimento de ser ofendido/a, menosprezado/a, rebaixado/a, inferiorizado/a, submetido/a, vexado/a, constrangido/a e ultrajado/a pelo outro/a. É sentir-se um ninguém, sem valor, inútil. Magoado/a, revoltado/a, perturbado/a, mortificado/a, traído/a, envergonhado/a, indignado/a e com raiva. A humilhação causa dor, tristeza e sofrimento.
E o que é assédio moral no trabalho?
É a exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, forçando-o a desistir do emprego.
Caracteriza-se pela degradação deliberada das condições de trabalho em que prevalecem atitudes e condutas negativas dos chefes em relação a seus subordinados, constituindo uma experiência subjetiva que acarreta prejuízos práticos e emocionais para o trabalhador e a organização. A vítima escolhida é isolada do grupo sem explicações, passando a ser hostilizada, ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada e desacreditada diante dos pares. Estes, por medo do desemprego e a vergonha de serem também humilhados associado ao estímulo constante à competitividade, rompem os laços afetivos com a vítima e, freqüentemente, reproduzem e reatualizam ações e atos do agressor no ambiente de trabalho, instaurando o 'pacto da tolerância e do silêncio' no coletivo, enquanto a vitima vai gradativamente se desestabilizando e fragilizando, 'perdendo' sua auto-estima.
A humilhação repetitiva e de longa duração interfere na vida do trabalhador e trabalhadora de modo direto, comprometendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais, ocasionando graves danos à saúde física e mental*, que podem evoluir para a incapacidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte, constituindo um risco invisível, porém concreto, nas relações e condições de trabalho.
A violência moral no trabalho constitui um fenômeno internacional segundo levantamento recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) com diversos paises desenvolvidos. A pesquisa aponta para distúrbios da saúde mental relacionado com as condições de trabalho em países como Finlândia, Alemanha, Reino Unido, Polônia e Estados Unidos. As perspectivas são sombrias para as duas próximas décadas, pois segundo a OIT e Organização Mundial da Saúde, estas serão as décadas do 'mal estar na globalização", onde predominará depressões, angustias e outros danos psíquicos, relacionados com as novas políticas de gestão na organização de trabalho e que estão vinculadas as políticas neoliberais.
A competição sistemática entre os trabalhadores incentivada pela empresa, provoca comportamentos agressivos e de indiferença ao sofrimento do outro. A exploração de mulheres e homens no trabalho explicita a excessiva freqüência de violência vivida no mundo do trabalho. A globalização da economia provoca, ela mesma, na sociedade uma deriva feita de exclusão, de desigualdades e de injustiças, que sustenta, por sua vez, um clima repleto de agressividades, não somente no mundo do trabalho, mas socialmente. Este fenômeno se caracteriza por algumas variáveis:
Internalização, reprodução, reatualização e disseminação das práticas agressivas nas relações entre os pares, gerando indiferença ao sofrimento do outro e naturalização dos desmandos dos chefes.
Dificuldade para enfrentar as agressões da organização do trabalho e interagir em equipe.
Rompimento dos laços afetivos entre os pares, relações afetivas frias e endurecidas, aumento do individualismo e instauração do 'pacto do silêncio' no coletivo.
Comprometimento da saúde, da identidade e dignidade, podendo culminar em morte.
Sentimento de inutilidade e coisificação. Descontentamento e falta de prazer no trabalho.
Aumento do absenteísmo, diminuição da produtividade.
Demissão forçada e desemprego.
A organização e condições de trabalho, assim como as relações entre os trabalhadores condicionam em grande parte a qualidade da vida. O que acontece dentro das empresas é, fundamental para a democracia e os direitos humanos. Portanto, lutar contra o assédio moral no trabalho é estar contribuindo com o exercício concreto e
pessoal de todas as liberdades fundamentais. É sempre positivo que associações, sindicatos, coletivos e pessoas sensibilizadas individualmente intervenham para ajudar as vítimas e para alertar sobre os danos a saúde deste tipo de assédio.

TELEFONES ÚTEIS



TELEFONES ÚTEIS

· LINHA VERDE - IBAMA - BSB
0800 61 80 80
· JUIZADO PEQUENAS CAUSAS.
2774-5771
· CARTÓRIO 1º OFÍCIO - CASIMIRO DE ABREU.
2778-1612
· AMPLA.
0800-28-00-120
· ADMINISTRAÇÃO REGIONAL BARRA.
2774-5548
· BANCO DO BRASIL-BARRA.
2774-5893
· BANCO ITAU-BARRA
2774-5454
· BATALHÃO FLORESTAL BARRA.
33994839
· BOMBEIROS CASIMIRO
2778-1282 - 1841
· CEDAE-MACAÉ
2772-5090
· CEDAE-BARRA.
. 2774-8215
· CONSELHO TUTELAR.
.2778-3667 Plantão 92070426
· CORREIOS-BARRA.
2774-5135
· DPO-BARRA.
2774-5490 33999639
· DELEGACIA CASIMIRO 121 DP
2778-1160 33998380
· DELEGACIA RIO DAS OSTRAS 128 DP
2760-6941 33998395 - 8396
· DETRAN-CASIMIRO.
2778-2024
· GUARDA MUNICIPAL-BARRA.
2774-6113
· GUARDA MUNICIPAL-CASIMIRO.
. 2778-1725
· HOSPITAL BARRA
21) 22999857
· HOSPITAL PÚBLICO MUNICIPAL – MACAÉ
2773-0061
· IBAMA-CASIMIRO.
2778-1540
· IML - MACAÉ .....
2765-4569
· PMCA......
2778-9800 ou 2778-9801
· POSTO SAÚDE BARRA...
2774-5548
· BATALHÃO POLÍCIA RODOVIÁRIA...
27645515 2770-8290- 33999638
· PAF......
.2774-0525
· 121ª Delegacia de Polícia
(22) 2778-1160
· Administração Regional Barra de São João
(22) 2774-5548
· AMPLA
0800-28-00-120
· APAE
(22) 2778-1666
· Auto Viação 1001
(22) 2778-1377 ou 2778-1332
· Banco do Brasil Barra de São João
(22) 2774-5893

· Banco do Brasil Casimiro de Abreu
(22) 2778-1140 / 2778-1125

· Banco Itaú Barra de São João
(22) 2774-5454
· Banco Itaú Casimiro de Abreu
(22) 2778-1345, (22) 2778-2044 ou (22)2778-1216
· Câmara de Vereadores de Casimiro
(22) 2778-2060, (22) 2778-2012
· Cartório 1º Ofício - Casimiro de Abreu
(22) 2778-1612
· Cedae Macaé
(22) 2772-5090
· Corpo de Bombeiros
(22) 2778-0193 ou 193
· Detran Casimiro de Abreu
(22) 2778-2024
· DPO Barra de São João
(22) 2774-0190 - 190
· DPO Casimiro de Abreu
(22) 2778-1190 ou 190
· Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos
(22) 2778-1299
· Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos de Barra de São João
(22)2774-5135
· Forum de Casimiro de Abreu
(22) 2778-1128
· Guarda Municipal Barra de São João
(22) 2774-6113
· Guarda Municipal de Casimiro de Abreu
(22) 2778-1042
· Hospital Nogueira de Souza
(22)2778-2033 ou (22)2778-2101
· Hospital Regional de Barra de São João
(22) 2774-5192 ou 2774-5490
· Ibama
(22) 2778-1540
· INSS
(22) 2778-1080
· Juizado Pequenas Causas
(22) 2774-5771
· Polícia Militar
(22) 2778-0190 ou 190
· Polícia Militar de Barra de São João
(22) 2774-5490
· Policia Militar Rodoviária
2764-5515
· Polícia Rodoviária Federal
(22) 2778-1453
· Posto de Saúde de Barra de São João
(22) 2774-5548
· Prefeitura de Casimiro de Abreu
(22) 2778-9800
· SAAE
(22) 2778-1581
· SEBRAE
(22) 2778-1198
· Terminal Rodoviário de Casimiro De Abreu
(22) 2778-1291
· Viação Expresso
(22) 2778-4711
· Viação Líder
Tel.: (22) 2772-9966, 2772-3700 ou 2778-9966
· Viação Macaense
(22) 2778-2016
· Viação Rápido Macaense Barra de São João
(22) 2774-5784
· Viação Rio das Ostras
(22) 2778-1377

Você conhece as unidades de saúde de Casimiro de Abreu?


Hospital Municipal Casimiro de Abreu
Santo Eli
C.R.E.M. Dr. Manoel Marques Monteiro
R. Padre Anchieta, 264, Centro, Casimiro de Abreu (22) 2778-1225 ramal 229
C.R.E.M. Barra de São João
R. Dr. Sá Pinto, 438, Centro, Barra de São João (22) 2774-5548
P.S.F. Centro
R. Nilo Peçanha, 164, Centro, Casimiro de Abreu (22) 2778-1248 ramal 30
P.S.F. Josefa Torres
R. José Bicudo Jardim, S/N, Bairro Industrial, Casimiro de Abreu (22) 2778-2121
P.S.F. Mataruna
R. Rodolfo Mota, S/N, Mataruna, Casimiro de Abreu (22) 2778-1225 ramal 239
P.S.F. BNH
R. Tancredo Mendes Paixão, 911 Casa 01, BNH, Casimiro de Abreu (22) 2778-1225 ramal 239
P.S.F. Professor Souza
R. João Soares, S/N (22) 2778-3022
P.S.F. Rio Dourado
R. da Estação, 1986 (22) 2778-3364
P.S.F. Palmital
R. Benedito de Souza, 324 (22) 2771-2679
P.S.F. Barra de São João
Rodovia Amaral peixoto 1559
P.S.F. Rosa Branca
Estrada Serra Mar, Km 114
P.S.F. Quilombo
Estrada Serra Mar, Localidade Quilombo
P.S.F. Cachoeiro de Macaé

A participação de todos é muito importante contra a DENGUE.





Não podemos deixar para amanhã! É na residência que o mosquito da Dengue encontra maior quantidade de lugares e objetos com água para reproduzir. Cuide para que eles não se tornem criadouros. Nas casas fechadas os cuidados são redobrados.
v No local de trabalho não esta livre do mosquito, devemos estar sempre atento;
v Na escola, não podemos relaxar, a direção, professores, pessoal de apoio e alunos fiquem de olho;
v Espaços públicos, praças, parques e jardins, não estão livres do mosquito, é dever dos órgãos públicos mantê-los limpos e zelar pela sua conservação;
v Em qualquer lugar onde haja água acumulada e exposta o mosquito da dengue pode se reproduzir.

A dengue é uma doença transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado com o vírus. Esses mosquitos costumam picar durante o dia , principalmente, no inicio da manhã e no final da tarde.
O mosquito se reproduz em recipiente com água parada e exposta, e seus ovos continuam vivos por até um ano.
São sintoma importantes

Febre, fraqueza, dor de cabeça, dor no corpo e por trás dos olhos .e em alguns casos podem aparecer dores nas juntas e manchas vermelhas na pele.
Se você tiver suspeita que esta com dengue, deve procurar o serviço de saúde, tomar bastante liquido e não fazer auto medicação.
A dengue pode até levar a morte se não for tratada devidamente, principalmente se for hemorrágica, que pode vir acompanhada de vômitos, dores abdominais, mãos frias, lábios roxos e queda de pressão.

“Fiquem alertas ,sejam esperto ,não deixem esse mosquitinho te pegar”

Aprenda sobre as DST .


DST
São Doenças Sexualmente Transmissíveis. Essas doenças passam de uma pessoa para outra através das relações sexuais. Quando uma pessoa está com uma DST ela pode não ficar com cara de doente, mas ter uma doença. Alguns estudiosos preferem chamá-las de Infecções Sexualmente Transmissíveis.
Você vai saber o que sentimos quando estamos com uma DST. Saiba desde já que todas as DST podem ser evitadas e que quase todas têm cura.
Atenção: As DST podem parecer iguais, mas cada uma tem tratamento diferente. Assim, ao menor sinal de DST procure um Posto de Saúde para fazer o tratamento correto. Não tome remédios indicados por amigos ou pelo balconista da farmácia!
Condiloma Acuminado
No começo podem aparecer verrugas nos órgãos sexuais, ou em volta do ânus ou mesmo dentro deles. Se não tratar as verrugas crescem e se espalham. Estas verrugas podem aparecer até alguns anos após a relação sexual onde ocorreu o contágio. Também é conhecido como couve-flor ou crista de galo, devido ao aspecto de algumas verrugas. Se a doença avançar muito, pode precisar até de operação. Nas mulheres grávidas a doença pode formar tumores porque se desenvolve mais rapidamente.
Se as verrugas estiverem fora da área protegida pela camisinha, o contato com a verruga pode passar a doença para a outra pessoa. Por isto, também neste caso, durante o tratamento, deve-se interromper as relações sexuais.
Essa doença é causada por um vírus, o HPV e ainda não existe remédio para eliminar o HPV. Hoje em dia sabe-se que a presença do HPV pode favorecer o câncer de colo de útero. Se a mulher fizer exame preventivo, fará o tratamento adequado e não terá problemas. Por isto o exame ginecológico de rotina para as mulheres é muito importante!
Corrimentos

Existem várias outras DSTs que causam corrimentos pela vagina e que são causadas por diferentes agentes. Elas também podem causar dor no baixo ventre, coceiras e ardência. Cada uma delas têm um tipo de tratamento adequado. Elas são mais freqüentemente percebidas pelas mulheres mas também passam para os homens.Esses corrimentos podem causar problemas e doenças nos órgãos internos femininos e impedirem até que a mulher engravide. Por isto, qualquer corrimento diferente, mesmo que não incomode, precisa ser tratado.
Usando a camisinha feminina ou a masculina todos estes corrimentos podem ser evitados. É bem melhor não é?
Tricomoniase
Os sinais são grande quantidade de corrimento amarelo-esverdeado com mau cheiro, coceira na vagina e no pênis, dor ao fazer xixi. Dói também para ter relações sexuais. No homem, geralmente não apresenta sinais
Usar camisinha evita a sua transmissão e tratando, o problema se resolve.

Danos da humilhação à saúde









A humilhação constitui um risco invisível, porém concreto nas relações de trabalho e a saúde dos trabalhadores e trabalhadoras, revelando uma das formas mais poderosa de violência sutil nas relações organizacionais, sendo mais freqüente com as mulheres e adoecidos. Sua reposição se realiza 'invisivelmente' nas práticas perversas e arrogantes das relações autoritárias na empresa e sociedade. A humilhação repetitiva e prolongada tornou-se prática costumeira no interior das empresas, onde predomina o menosprezo e indiferença pelo sofrimento dos trabalhadores/as, que mesmo adoecidos/as, continuam trabalhando.
Freqüentemente os trabalhadores/as adoecidos são responsabilizados/as pela queda da produção, acidentes e doenças, desqualificação profissional, demissão e conseqüente desemprego. São atitudes como estas que reforçam o medo individual ao mesmo tempo em que aumenta a submissão coletiva construída e alicerçada no medo. Por medo, passam a produzir acima de suas forças, ocultando suas queixas e evitando, simultaneamente, serem humilhados/as e demitidos/as.
Os laços afetivos que permitem a resistência, a troca de informações e comunicações entre colegas, se tornam 'alvo preferencial' de controle das chefias se 'alguém' do grupo, transgride a norma instituída. A violência no intramuros se concretiza em intimidações, difamações, ironias e constrangimento do 'transgressor' diante de todos, como forma de impor controle e manter a ordem.
O/A trabalhador/a humilhado/a ou constrangido/a passa a vivenciar depressão, angustia, distúrbios do sono, conflitos internos e sentimentos confusos que reafirmam o sentimento de fracasso e inutilidade.
As emoções são constitutivas de nosso ser, independente do sexo. Entretanto a manifestação dos sentimentos e emoções nas situações de humilhação e constrangimentos são diferenciadas segundo o sexo: enquanto as mulheres são mais humilhadas e expressam sua indignação com choro, tristeza, ressentimentos e mágoas, estranhando o ambiente ao qual identificava como seu. É este sofrimento imposto nas relações de trabalho que revela o adoecer, pois o que adoece as pessoas é viver uma vida que não desejam, não escolheram e não suportam.
Fases da humilhação no trabalho
A humilhação no trabalho envolve os fenômenos vertical e horizontal.
O fenômeno vertical se caracteriza por relações autoritárias, desumanas e aéticas, onde predomina os desmandos, a manipulação do medo, a competitividade, os programas de qualidade total associado a produtividade. Com a reestruturação e reorganização do trabalho, novas características foram incorporadas à função: qualificação, polifuncionalidade, visão sistêmica do processo produtivo, rotação das tarefas, autonomia e 'flexibilização'. Exige-se dos trabalhadores/as maior escolaridade, competência, eficiência, espírito competitivo, criatividade, qualificação, responsabilidade pela manutenção do seu próprio emprego (empregabilidade) visando produzir mais a baixo custo. flexibilização' inclui a
A "flexibilização", que na prática significa desregulamentação para os trabalhadores/as, envolve a precarização, eliminação de postos de trabalho e de direitos duramente conquistados, assimetria no contrato de trabalho, revisão permanente dos salários em função da conjuntura, imposição de baixos salários, jornadas prolongadas, trabalhar mais com menos pessoas, terceirização dos riscos, eclosão de novas doenças, mortes, desemprego massivo, informalidade, bicos e sub-empregos, dessindicalização, aumento da pobreza urbana e viver com incertezas. A ordem hegemônica do neoliberalismo abarca reestruturação produtiva, privatização acelerada, estado mínimo, políticas fiscais etc. que sustentam o abuso de poder e manipulação do medo, revelando a degradação deliberada das condições de trabalho.
O fenômeno horizontal está relacionado à pressão para produzir com qualidade e baixo custo. O medo de perder o emprego e não voltar ao mercado formal favorece a submissão e fortalecimento da tirania. O enraizamento e disseminação do medo no ambiente de trabalho, reforça atos individualistas, tolerância aos desmandos e práticas autoritárias no interior das empresas que sustentam a 'cultura do contentamento geral'. Enquanto os adoecidos ocultam a doença e trabalham com dores e sofrimentos, os sadios que não apresentam dificuldades produtivas, mas que 'carregam' a incerteza de vir a tê-las, mimetizam o discurso das chefias e passam a discriminar os 'improdutivos', humilhando-os.
A competição sistemática entre os trabalhadores incentivada pela empresa, provoca comportamentos agressivos e de indiferença ao sofrimento do outro. A exploração de mulheres e homens no trabalho explicita a excessiva freqüência de violência vivida no mundo do trabalho. A globalização da economia provoca, ela mesma, na sociedade uma deriva feita de exclusão, de desigualdades e de injustiças, que sustenta, por sua vez, um clima repleto de agressividades, não somente no mundo do trabalho, mas socialmente. Este fenômeno se caracteriza por algumas variáveis:
Internalização, reprodução, reatualização e disseminação das práticas agressivas nas relações entre os pares, gerando indiferença ao sofrimento do outro e naturalização dos desmandos dos chefes.
Dificuldade para enfrentar as agressões da organização do trabalho e interagir em equipe.
Rompimento dos laços afetivos entre os pares, relações afetivas frias e endurecidas, aumento do individualismo e instauração do 'pacto do silêncio' no coletivo.
Comprometimento da saúde, da identidade e dignidade, podendo culminar em morte.
Sentimento de inutilidade e coisificação. Descontentamento e falta de prazer no trabalho.
Aumento do absenteísmo, diminuição da produtividade.
Demissão forçada e desemprego.
A organização e condições de trabalho, assim como as relações entre os trabalhadores condicionam em grande parte a qualidade da vida. O que acontece dentro das empresas é, fundamental para a democracia e os direitos humanos. Portanto, lutar contra o assédio moral no trabalho é estar contribuindo com o exercício concreto e pessoal de todas as liberdades fundamentais. É sempre positivo que associações, sindicatos, coletivos e pessoas sensibilizadas individualmente intervenham para ajudar as vítimas e para alertar sobre os danos a saúde deste tipo de assédio.
Eu escrevo isso com conhecimento de quem já sofreu assédio moral no local de trabalho.
Irene da saúde

16 dias de ativismo contra a violência


Foto de Irene e
Maria da Penha

















Foto: Irene na II Conferência de Politicas

A Campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres é uma mobilização educativa e de massa, que luta pela erradicação deste tipo de violência e pela garantia dos direitos humanos. Em todo o mundo, quatro datas-marco representam essa luta no período de realização da Campanha: 25 de novembro a 10 de dezembro, por isto chamamos de 16 Dias de Ativismo. No Brasil, mais uma data é destacada pela dupla discriminação sofrida pelas mulheres negras: 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra.
25 de novembro – Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres Data declarada como justa homenagem à “Las Mariposas”, codinome utilizado em atividades clandestinas pelas irmãs Mirabal, heroínas que tiveram a coragem e força de se opor à ditadura de Rafael Leônidas Trujillo, na República Dominicana, uma das mais violentas da América Latina. Minerva, Pátria e Maria Tereza foram brutalmente assassinadas em 25 de novembro de 1960. 01 de dezembro – Dia Mundial de Combate à Aids Marca o início da Campanha anual para conter a epidemia da Aids, estimular a prevenção e, assim, diminuir a disseminação do vírus HIV. Números indicam um alarmante aumento dos casos de mulheres contaminadas e a data é utilizada no mundo todo para a promoção de ações que tentam conter o crescimento. 06 de dezembro – Massacre de Mulheres de Montreal (Canadá) Data em que um estudante entrou armado em escola politécnica da Universidade de Montreal, em 1989, gritando que queria acertar “apenas as mulheres”, as “feministas”. O saldo da barbárie: catorze alunas assassinadas. A trágica injustiça inspirou a criação da Campanha do Laço Branco, mobilização mundial de homens pelo fim da violência contra as mulheres. 10 de dezembro - Dia Internacional dos Direitos Humanos Celebra a adoção, em 1948, pela Organização das Nações Unidas (ONU), da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), código ético e político do século XXI voltado à proteção dos direitos fundamentais. O documento nasceu em resposta à violência praticada pelos nazistas contra judeus, comunistas e ciganos e às bombas atômicas lançadas pelos Estados Unidos sobre Hiroshima e Nagazaki (Japão), matando milhares de inocentes.
Entre no site da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres, www.presidencia.gov.br/spmulheres/
E convide um homem para aderir à campanha clicando em:
http://www.homenspelofimdaviolencia.com.br/